quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Anseio Pela Completude do Ser


Você já teve a sensação de que está em uma constante busca por algo maior? Que um dia você se encontra super satisfeito achando que tem tudo, mas no dia seguinte se sente insatisfeito, sempre querendo algo mais, ou algo novo, ou algo mais emocionante do que ontem?

É como se você fosse marcado por uma falta, de algo ou alguém que as vezes você nem sabe direito o que é, e essa falta gera uma insatisfação e essa insatisfação um desejo de completude do ser. O desejo, por sua vez, te impulsiona a busca, ou a algum tipo de ação. Essa busca, como qualquer outra, pode te levar a fontes boas ou ruins. Mas, o mais estranho é, que essa busca continua, mesmo quando um desejo é realizado.

Quero compartilhar nesse post um pouco sobre as minhas reflexões e revelações a respeito desse anseio pela completude do ser.

Lembro-me de um dia inesquecível em que estava no Prayer Room do IHOP-KC orando a Deus e rasgando meu coração perante Ele. Eu entreguei ali todos os meus sonhos e todos os meus anseios a Ele. E senti, pela primeira vez, Ele claramente me declarando uma verdade: "Filha você nunca estará 100% satisfeita nessa vida". Ao mesmo tempo que foi difícil ouvir isso, eu pela primeira vez entendi algo maior. Um grande insight aconteceu ali e eu me senti livre de verdade. Um peso quase do tamanho dos meus anseios saiu de mim. É como se Ele me falasse que eu não havia sido feita para estar 100% satisfeita nesse mundo, mas ao mesmo tempo, eu havia sido criada com um grande anseio, que iria gritar dentro de mim todos os dias, e que esse anseio tinha um propósito maior (e não o de apenas me torturar... risos).

A falta e o anseio apontam para uma realidade, alcançável e ao mesmo tempo distante. Se ainda está distante é porque precisa ser encontrada, perseguida. A completude existe, mas o processo de busca também é muito importante. Sendo assim, a pergunta que fica é: Onde será então que ela se encontra ou em quem devemos buscá-la?

Um famoso psicanalista inglês, chamado Lacan, aborda em sua teoria que a tentativa de buscar a completude em outra pessoa não passa de uma mera ilusão. Para ele, a completude, é o desejo de ser um quando na verdade existem dois. Somos, porém, marcados por essa falta e pelo desejo de ser um, com outro.

E embora, esse desejo não possa ser, de fato, satisfeito em nenhuma relação humana. Existe, em Deus, uma promessa de satisfação e plenitude. Em João 4, lemos uma passagem muito famosa do dia em que Jesus parou em um poço para beber água e ali encontrou uma mulher samaritana. Ele pediu para a mulher tirar um pouco de água para Ele e um diálogo entre eles começou. Em um determinado momento da conversa Jesus disse a mulher: "Quem beber desta água tornará a ter sede; aquele, porém, que beber da água que eu lhe der será nele uma fonte a jorrar para a vida eterna". João 4:13. 

Nessa frase Jesus aponta para algo muito interessante. Ele, em outras palavras disse ter uma água (que nada mais é do que algo que satisfaz a sede - nesse caso a sede por completude). E que essa água, que na verdade é Ele mesmo, passa a ser uma fonte em seu interior, a jorrar para a vida eterna. Ou seja, Ele passaria a habitar dentro de nós, como uma fonte de água, que jorraria para a vida eterna. Se é uma fonte, significa que haveríamos de ter sede e deveríamos beber dessa mesma água até alcançarmos a vida eterna. Mas, nesse caso, não seríamos como aqueles que tem sede e nunca se satisfazem. A única fonte que mata toda a sede estaria habitando dentro de nós até alcançarmos a eternidade, que representa nossa plenitude total, e aí sim a ausência da sede.

Uma frase maravilhosa que reflete essa condição humana de dependência e necessidade de plenitude do ser em Deus foi dita por um escritor russo chamado Dostoiévski, e fala assim: "Todo homem carrega no peito um vazio do tamanho de Deus". Fomos criados por Ele, para Ele e só Nele somos inteiros de verdade. Porque antes de o desejarmos, Ele primeiro nos desejou e nos projetou para sermos um com Ele.

Ainda em João 4, lemos no versículo 16, que Deus busca aqueles que o adorem em espírito e em verdade. Esse é o anseio do coração do Pai: amor e adoração voluntários. Ou seja, Ele nos desejou primeiro, por isso nos projetou de uma tal forma, que haveríamos de desejar por Ele também. Somos construídos internamente com uma falta que Só Deus pode suprir de verdade. É como se esse vazio fosse antes uma forma de Deus clamar dentro de nós, dizendo: "Busque a mim e Eu me revelarei a Ti, só Eu posso te satisfazer por completo."

E o nosso maior presente hoje é ter esse desejo por mais Dele. Porque quem tem anseio busca e quem busca O encontra (Lucas 11:10). E quem já experimentou um pouco de quem Ele é, de fato não consegue se satisfazer com nada mais, porque não há nada melhor e mais prazeroso do que um relacionamento genuíno com Ele. E quem experimentou Ele, inevitavelmente quer mais Dele.

"Bem aventurados os que choram, porque eles serão consolados". Mateus 5:4. 

Choram aqueles que reconhecem a falta. Choram aqueles que sabem que há mais do que o palpável, o visível, o passageiro... Quem está satisfeito com aquilo que tem no momento presente, se acomoda e não tem necessidade de busca nenhuma. E o resultado disso é a paralização e a acomodação no ilusório. O desejo e o anseio faz com que saíamos do comodismo, seja ele espiritual ou material.

Enquanto ainda estamos aqui, como peregrinos nesse mundo, somos marcados pela falta da completude absoluta, que só vai ser possível quando estivermos face a face com Deus. O Apóstolo Paulo fala um pouco sobre isso quando discursa sobre o dom maior, que é o amor. Ele disse, em I Coríntios 13:12 "Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido". Ou seja, vivemos e experimentamos o mundo e até mesmo a Deus, e o seu grandioso amor, ainda em partes. Mas, a nossa esperança reside na convicção que haveremos de alcançar o pleno conhecimento um dia.

Você já parou para pensar que ainda nos relacionamos com Deus mesmo Ele sendo invisível a nós?! Mas, mesmo preferindo se mantér "invisivel", Ele é mais que real, mais que presente e mais que atuante. E, embora a maioria dos mistérios da vida sejam encobertos, como diz em Provérbios 25:2 "A glória de Deus é encobrir as coisas, mas a glória dos reis é esquadrinhá-las". Cabe a nós, os que O amam e O buscam, as maiores revelações, principalmente de quem Ele e de qual é a Sua vontade para nós e todo o resto, enfim.

"As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, mas as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que observemos todas as palavras desta lei." Deuteronômio 29:29

No final de todas as coisas, a completude se encontra na revelação do Amor maior. Não é a toa que  todos os mandamentos, resumidos nos dois primeiros, giram em torno do amor. Amar a Deus sobre todas as coisas e amar ao próximo como a nós mesmos. Amamos a Deus quando primeiro temos a revelação do amor Dele por nós. Somos então completamente incediados por esse amor que não se contém em nosso ser e precisa ser extravasado no amor ao próximo. Porque Ele nos amou, o amamos de volta e passamos a amar aqueles a quem Ele tanto ama, inclusive a nós mesmos. E nessa vida, e por toda a eternidade, a maior satisfação do ser/existir, se encontra no amor recíproco, verdadeiro, incondicional e eterno, que cultivamos com Deus.

A sede mostra que enquanto nós ainda não alcançarmos a plenitude, de ser de fato um com Ele, precisaremos O buscar, para O encontrar. Como o maná no deserto, a busca tem que ser diária. Alcançar o conhecimento de quem Deus é, um pouco mais a cada dia, que seja essa a nossa meta maior. E esse conhecimento de Deus é algo inesgotável. Ele é o Criador que não foi criado. Aquele que sempre existiu e sempre existirá. Todos os mistérios da existência residem Nele. Todo o conhecimento se encontra Nele. Como não querer conhecê-lo mais e mais a cada dia? Sempre há e sempre haverá algo novo e surpreendente a ser descoberto quando nos relacionamos com Deus em intimidade e profundidade.

Que belo e misterioso paradoxo é esse, não?! De desejarmos porque primeiro somos imensamente desejados por Ele. De sentirmos a falta, porque antes Ele anseia por nós, com uma ardente e zelosa paixão, que grita em nosso interior na forma de um desejo de completude. E isso acontece para que assim o procuremos e aí o encontremos, se O buscarmos com todo o nosso coração (Jeremias 29:14).

Que o amor de Deus possa queimar em nosso interior aumentando cada dia a sede por mais Dele e por aquilo que arde em Seu coração, até que seja dia perfeito. Até que estejamos face a face com nosso Criador. Essa é a minha oração!

"Tu me farás ver os caminhos da vida; na Tua presença há plenitude de alegria, na Tua destra, delícias perpetuamente". Salmos 16:11

#Paz

M.S.

4 comentários:

  1. Que benção Nani! Que esse anseio por mais de Deus esteja sempre em nosso corações! Continue nessa caminhada de busca e contagiando quem está ao seu redor. Te amo muito , Mami

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Valeuuu amiga linda. Miss you so much!!!!!!

      Excluir